04/01/18

EMPATE MENTIROSO NUM GRANDE DÉRBI

Independentemente do resultado e de todas as incidências do dérbi, há que dizer, em primeiro lugar, que se tratou de um grande espectáculo. Um espectáculo que contribuiu certamente para resgatar do fundo de um poço o futebol português, e o mal que muitos lhe têm feito ultimamente. Afinal, ainda se joga dentro dos campos. E de que maneira!
Foi um jogo vibrante, empolgante, com incerteza até final, e com um grande Benfica – porventura o melhor Benfica desta temporada.
Pena que a terceira equipa não tenha estado à altura, mas já lá iremos.
O resultado não fez justiça à exibição encarnada, que em mais de dois terços do tempo de jogo encostou o leão às cordas, chegando mesmo a vulgarizá-lo, mormente na segunda parte. Um trio em grande destaque, constituído por Krovinovic, Cevi e Jonas, foi construindo, insistindo, lutando, sem que, porém, na área alguém materializasse tão vincado domínio. Muitos terão sentido saudades de Cardozo, ou de Mitroglou, nomes que conjugavam bem com a única palavra que faltou ao texto escrito pela equipa de Rui Vitória. A palavra golo.
Há que ser justo, e dar mérito à dupla de centrais do Sporting, que resolveu muitos dos problemas colocados à equipa – a qual, do meio campo para a frente, Gelson à parte, pouco existiu. E pouco existiu porque os jogadores do Benfica foram implacáveis na luta pela bola, cortando sempre os caminhos às tentativas de reacção dos leões. Mesmo quando Vitória arriscou tudo, lançando a sua equipa numa vertigem atacante raramente vista em jogos desta natureza, a segurança lá atrás foi sempre sendo garantida. 
O penálti convertido por Jonas veio trazer um pingo de razoabilidade ao resultado, e ocorrendo nos últimos minutos, acabou por deixar na boca dos benfiquistas um sabor  melhor, daquele que um outro qualquer empate normalmente mereceria.
No final, a Luz saudou com fervor os seus jogadores. Não por terem empatado em casa com o Sporting, mas por terem-no conseguido quando já talvez não se esperasse, e, sobretudo, em reconhecimento pela injustiça do resultado face a uma exibição carregada de raça, esforço e combate.
Como Jorge Jesus disse no final, o empate penaliza mais o Benfica em termos de classificação. Porém, há que dizer que, neste caso, a diferença entre a derrota e o empate era substancial, e um golo ao minuto 90 é sempre doloroso para quem o sofre, e saboroso para quem o marca. Este golo representou a manutenção do Benfica na luta pelo título, e acho que Rui Vitória terá acabado por dormir melhor do que o seu colega do outro lado.

A arbitragem esteve francamente mal. Começou com um erro grave (sobretudo do video-árbitro) ao não assinalar o fora-de-jogo (microscópico, mas real) de Acuña, no lance do golo de Gelson. Depois foi um festival. Há vários lances de possível grande penalidade, que o árbitro até poderia nem ter visto, mas (uma vez mais) o vídeo-árbitro teria obrigação de ver. Cortes com a mão de Fábio Coentrão, de Piccini e de William Carvalho, para além de um empurrão a Jardel, tudo na área sportinguista, mereceram uma interpretação que não bate certo com a de outros jogos, deste mesmo campeonato. Pelo menos os casos de Coentrão e William deveriam, claramente, ter merecido outro julgamento (ai se fossem na outra área, o folclore mediático que não haveria...). Já o último dérbi, em Alvalade, na época passada, tinha deixado vários lances de penálti por assinalar. Começa a ser uma tradição. 
Mas, enfim, prefiro guardar deste jogo o grande espéctaculo futebolístico, e a certeza de que o Benfica (sobretudo se mantiver este nível) continua vivo na luta pelo Penta.

1 Comments:

Blogger Miguel Costa said...

Estamos vivos e seguimos lutando!
Temos que dar continuidade ao que de melhor temos feito. O jogo de ontem foi nesse sentido, pena o resultado. O nosso melhor nível é superior ao melhor nível dos outros concorrentes. Temos é que dar continuidade e vamos ultrapassá-los! Ainda bem que vem aí mais um jogo. Parte de mim já vai a caminho de Moreira...

Carrega BENFICA!!

5.1.18  

Enviar um comentário

<< Home